fala sobre livros

Resenha | Regretting You – Colleen Hoover

Regretting You é o mais novo livro de Colleen Hoover aka minha autora favorita, caso você não saiba.

Estou aprendendo que, às vezes, você precisa se afastar de uma briga para vencê-la.

todas as quotes desse post foram traduzidas pela minha pessoa.

A história do livro nos traz uma jovem Morgan, no auge dos seus 17 anos vivendo sua vida. Ela namora Chris tem um tempo e sua irmã Jenny é basicamente a pessoa que mais importa no mundo pra ela. Jenny é um pouco mais nova que Morgan e começou a namorar Jonah tem 2 meses. O livro começa basicamente com esse “flashback” da juventude de Morgan no dia em que a sua vida pode mudar pra sempre.

E aí, a história pula 17 anos.

Você não quer ser a outra garota. Acredite em mim.

Morgan agora é casada com Chris e tem uma filha chamada Clara. É aniversário de Morgan. Jenny agora também tem um bebê chamado Elijah e Jonah reapareceu nas suas vidas recentemente, depois de um vácuo de anos e anos. Tudo isso deixa Morgan muito confusa, mas nada poderia prepará-la para o dia seguinte.

Um acidente acontece e tudo o que Morgan conhece e tem certeza sobre é destruído em mil pedacinhos. E a grande questão é: será que ela vai se arrepender das escolhas que fez?

Toda vez que eu acho que uma das minhas muitas feridas está começando a sarar, algo acontece e a abre de novo.

Regretting You me deixou com a sensação de estar sem ar por quase toda a leitura. Achei que seria um livro sobre luto, mas Colleen vai muito além disso porque não seria livro de CoHo sem um tema mais profundo né?

Eu sinto essa dor por ela – pelo que ela passou. O que ela está passando. Eu não sei como ela ainda está funcionando.

A relação de Morgan e Clara é bem complicada. Clara é uma jovem, então basicamente, tudo gira ao redor dela em sua cabeça. E ela endeusa o pai dela, claro que isso não é uma coisa ruim, mas acredite, nesse contexto, acaba sendo. Isso fez com que eu não gostasse de Clara por basicamente 90% da leitura. Sem nenhum exagero. A personagem é extremamente egoísta, tem problemas pra controlar a própria raiva e desconta não só em Morgan, mas em Miller. O fato de ela achar que sabe de tudo é um saco. Se você acompanha os stories do blog, sabe que eu dei uns surtos por lá kkkkk. Pra não ser injusta, nos últimos 10% do livro eu consegui sentir crescimento na personagem, mas pra isso, ela precisou levar dois tombos que eu esperei ansiosa ela levar.

Eu gostava dos globos de neve porque eles me lembravam da vida. Como às vezes parece que alguém está sacudindo o mundo envolta de você e que as coisas estão voando em você por todo lado. Mas se você esperar tempo bastante, tudo vai começar a se acalmar. Eu gostava desse sentimento de saber que a tempestade interna sempre acaba se acalmando. Mas essa semana me prova que às vezes a tempestade não se acalma. Às vezes o estrago é catastrófico demais pra ser reparado.

Me questiono se humanos são a única criatura viva que se sentem ocas por dentro. Eu não entendo como meu corpo pode ser cheio de tudo o que corpos têm – ossos, músculos, sangue e órgãos – e ainda sim meu peito parece vazio, como se alguém pudesse gritar na minha boca e ecoaria dentro de mim.

Miller é um personagem secundário muito incrível e eu não acharia ruim um spin-off no esquema de Maybe Not dele. Gostaria de acompanhar mais o Miller. As cenas mais felizes do livro pra mim incluíram ele. Jonah é indescritível. A dinâmica dele com Morgan é tão natural, tão bonita. Mas também gostaria de ter mais do personagem e ao mesmo tempo, eu consigo entender que a proposta da Colleen era a relação de mãe e filha.

Meu peito às vezes parece oco, como se eu tivesse vivido uma vida sem nada significante para enchê-lo.

Morgan é uma personagem que me deixou cativada. Não tinha um pingo de egoísmo nela, a maioria das escolhas que ela fez na vida foi pelos outros – Chris e Clara – e isso acaba deixando ela totalmente perdida depois. Sem saber qual é a sua paixão, o que fazer como carreira e o pior, sem saber quem ela é fora de ser mãe e esposa. Não teve um momento sequer que eu não tenha sentido o que Morgan sentiu durante o livro. E ela sente muita coisa. É algo bem impressionante pensar que realmente existem pessoas que passam pelas coisas que ela passou e sendo tão forte.

Não é hipocrisia a menos que a ação a qual se oponha ocorra após a objeção.

Mais uma vez, Colleen me deixa satisfeita e surpresa. Ela de novo trouxe um assunto que é bem complicado pra mim, mas não sei, me senti respeitada dentro dessa complicação. O tema que ela escolheu trabalhar em Regretting You não é fácil de digerir, não é fácil de aceitar e não vai ser todo mundo que vai gostar da leitura. Já aviso.

Pela primeira vez em eras meu peito parece cheio, mas não de um jeito bom. Parece que está sendo inundado por água espessa. Talvez lama.

E Colleen Hoover me paga por ter me deixado curiosa quanto a um certo conteúdo de caixa de ferramentas e que faz muito, muito sentido com a capa. Hahahah.

A finalização do livro é bem realista. E algo que me deixou intrigada foi o uso que Hoover fez das entrelinhas e das repetições; isso foi fonte das minhas expressões de surpresa – tanto pro lado negativo (não em relação a escrita, mas a história mesmo), quanto positivo. Foi um misto de emoções bem louco que só CoHo é capaz, apesar de não ter chorado, fiquei bastante indignada lendo. O livro é narrado na primeira pessoa pelos pontos de vista de Morgan e Clara.

Regretting You só está disponível em inglês, mas está gratuito dentro da assinatura do Kindle Unlimited – uma rainha escritora acessível né!

6 Comentários

  • Michelle

    Olá, não tive a oportunidade de conhecer a escrita da autora, mais vejo que ela é muito aclamada e que se sua obra não agrada o público vira motivo de conversa por meses entre os leitores, eu tenho um livro recente dela aqui e será meu primeiro contato com seu trabalho espero gostar! Adorei sua resenha e dica de leitura , beijos!

  • Alisson Gomes

    Oie Ana,
    menina meus amigos cansam de tentar me fazer ler CoHo, mas eles sempre falam exatamente da sensação de não respirar durante as leituras dela e isso meio que me assusta um pouco hahah, mas UM DIA eu prometo tomar coragem em ler um dos livros dela. O que acho interessante da Colleen é que os livros dela sempre trazem narrativas bem realistas para seus protagonistas e pelo jeito ela segue o mesmo estilo nesse livro também!!

    Beijos!
    Eita Já Li

  • Debyh

    Olá,
    Eu já li um livro dela e já foi o suficiente. O estilo dela não é pra mim então mesmo recebendo elogios de muitos outros livros dela eu não tenho animo pra ler. Mas entendo seu lado de fã querendo mostrar o quanto gosta dos livros dela, acho isso bem legal!

  • Sara Kerolen Souza Oliveira

    Oiii tudo bem?
    Faz tempo que não li nada da autora e fiquei curiosa em conhecer esse livro ele parece o livro que vai me fazer sair um pouco da minha zona de conforto fiquei Bem curiosa pra conhecer essa história ,tentarei ler esse livro o mais rápido possível obrigado pela dica.

    Bjs

  • Vanessa Vieira

    Olá! Que história mais interessante essa que você nos trouxe! Uma pena ainda não ter a versão em Português, fiquei muito curiosa pela leitura! Gostei demais dos pontos que você citou na resenha! Espero que em breve tenhamos uma edição por aqui!

    Um abraço!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *