fala sobre filmes & séries,  queer eye

Queer Eye & o amor próprio – Uma transformação de cada vez

Queer Eye foi uma das minhas séries de férias. Uma semana antes de estrear a quarta temporada, recentemente lançada, eu decidi que ia ver qual era a desse show da Netflix que dá o que falar.

Para quem não sabe, Queer Eye é um reality de transformações. Mas não é do tipo Esquadrão da Moda que acaba com a participante e tenta mudar a pessoa completamente. É uma transformação de dentro pra fora e feita com muito respeito a quem os “heróis” (como são chamados os participantes) são.

A equipe responsável e nossos belos especialistas são 5 homens gays: Antoni é o especialista em comida e vinhos; Bobby é responsável pelo design de casas/ambientes; Jonathan é o especialista em cabelos e cuidados de beleza; Karamo é basicamente o cara que me faz chorar todo episódio, mas lá eles chamam isso de especialista em “cultura”, ele desenvolve o lado emocional do herói e finalmente temos Tan, responsável pelas roupas. Eles são o nosso Fab 5!

Eles vão lá e participam ativamente da vida do herói por uma semana, sempre ao final dessa semana esse participante tem algum evento importante (uma festa de casa nova, um homecoming de igreja…) Cada um faz sua parte e no final, temos uma transformação interna e externa. O que eu mais amo de QE é que as histórias de vida dos heróis são as mais diversas. Já tivemos ex soldados do exército, bombeiros, cristãos, trans, lésbicas, héteros, gays… Queer Eye não evita ninguém, nem mesmo apoiadores do Trump na época da eleição (e olha que todos eles são gays hein).

Apenas seja uma versão honesta de você mesmo.

Beleza é acreditar em você, é saber que você tem valor. Beleza é confiança. Se você se sente confiante sobre quem você é, isso vai irradiar de você. Beleza é quando você está tão conectado com seu coração que você não precisa explicar nada para ninguém porque você sabe que é lindo como você é.

O Fab 5 falando sobre beleza

Eu realmente choro em absolutamente todos os episódios, seja por algo que o herói compartilha ou por conhecer um pouco mais da vida dos nosso Fab 5. A série é inspiradora em vários níveis, já guardei tantas frases faladas que nem dá pra contar. Quando falo sobre masculinidade tóxica é porque a maioria dos participantes, principalmente na primeira temporada são homens e eles em grande parte nunca tiveram convivência com homens gays e essa é uma dinâmica muito importante. Queer Eye quebra paradigmas e barreiras inventadas por uma sociedade patriarcal completamente preconceituosa. Queer Eye abre espaço para diversas conversas que são consideradas tabus uma transformação de cada vez.

Um dos episódios de início mais tenso pra mim foi o Dega don’t (s01e03), eles estão apresentando o herói da semana que é um policial, o que já deixa Karamo (que é negro) nervoso e ele que dirige o carro, logo atrás um carro policial faz sinal para que Karamo pare de dirigir e nisso a tensão cresce. Isso é quebrado quando o tal policial revela que na verdade é o amigo do herói da semana, mais a frente no episódio Karamo revela que achava que ele seria mais um policial racista parando um negro por motivo nenhum.

Outro episódio que trouxe uma representividade, tanto para quem assiste quando para Tan foi Sky’s the limit (s02e05) que nos traz Sky, que nasceu no corpo de menina, mas nunca se identificou, acabou sendo expulsa de casa e por muito tempo viveu em um corpo que trazia sofrimento, até que finalmente conseguiu fundos (com ajuda da família de coração) para fazer a retirada dos seios.

Golden Kenny (s04e05) foi um episódio que mexeu muito pessoalmente e foi até um certo gatilho porque falava de solidão e sobre a perda de um amigo canino. Mas o final desse episódio é tudo pra mim e ele ainda por cima tem um cachorrinho sendo adotado <3! A quarta temporada é perfeita em vários níveis.

“Um cachorro te ama quando ninguém mais ama.”

E o episódio que acabou com a minha vida, e trouxe a primeira heróina foi o God Bless Gay (s02e01); Mama Tammye é uma cristã muito ativa na igreja da sua comunidade; seu filho – que se assumiu gay – voltou para casa, mas essa volta é difícil já que ele literalmente saiu da sua cidade porque a igreja não o aceitou. Esse episódio acabou comigo – como cristã e como cidadã – desde o primeiro minuto até o último. Ele mexe com um assunto muito presente dentro do mundo “gospel”, o preconceito sexual. Tammye aceita o seu filho, aceita o Fab 5 e mais importante, escuta as histórias que eles tem pra contar sobre esse preconceito. Bobby veio de uma família adotiva religiosa e quando se assumiu, teve que sair de casa e isso criou uma mágoa muito grande nele, tanto que ele é o único do grupo que não entra no templo da igreja onde Tammye congrega. Foi um tapa forte e eu ainda tive que dar a outra face. Mas também foi um episódio muito inspirador e que trouxe certa cura pra Bobby.

Você não pode antagonizar e evangelizar ao mesmo tempo.

Mama Tammye

No final o episódio a Mama Tammye fala algo para cada um dos Fab 5 e eu desabei de chorar porque foi como se ela enxergasse a alma deles, e eu amei. Tô lembrando da cena digitando esse post e lacrimejando.

https://aquelemqueana.tumblr.com/post/186342678126/tanjonathans-queer-eye-s02e01

Antoni, vem aqui. Meu bebê! Continue deixando Deus te usar, a comida é um meio para o coração e mais importante, para a alma. Continue alimentando a alma das pessoas, ok?

Derrubando a masculinidade tóxica na frente de todo mundo!

Queer Eye mostra que amor próprio, autoconhecimento, e um empurrãozinho do Fab 5 podem fazer uma pessoa começar a entender que todo o potencial tá dentro dela. O visual é a parte que te apresenta com todo esse potencial. As roupas, o novo design da casa, aprender a cozinhar alguns pratos e um cabelo novo são só algo para dar luz aos heróis que estão há muito escondidos na escuridão. Eles só revelam e fazem essa luz brilhar mais porque a verdade é que ela sempre esteve ali.

“Jesus não quer assistir isso.” (Sobre seu comportamento que vai contra tudo que ele ensinou rs)

Essa é uma revelação que a maioria dos heróis entendem no final da semana, estava tudo ali sendo disperdiçado dentro deles, eles só precisvam de uma ajudinha de cinco gays fabulosos pra se lembrar da sua verdadeira essência. A melhor parte é que o Fab 5 tem contato com a maioria, se não todos, os heróis que participam do programa!

Todos os episódios são incriveis, eu trouxe poucos porque se não esse post ia ficar enorme e ninguém ia querer ler, sério, ASSISTAM QUEER EYE. Não dá pra explicar o amor que tenho por cada um: Antoni, Bobby, Jonathan, Karamo e Tan tem um lugarzinho no meu coração e na parede do meu quarto sempre! Todos eles merecem o mundo todinho <3. Eu tenho certeza que todo mundo precisa de um pouco de magia queer na vida.

Eu dizendo de nada depois de você me agradecer por ter assistido QE

As quatro temporadas estão disponíveis na Netflix e tem 8 episódios de 40-45 minutos cada! Assisti a primeira em questão de horas num momento da vida que não consigo assistir nada em binge rs, então acreditem, vale muito a pena!

Você pode fazer, só acredite em você.

8 Comentários

  • Bianca Ribeiro

    Só de ver você falando da série eu ja fiquei emocionada. Eu comecei a ver essa série recentemente e já chorei tanto com tudo que aconteceu, nossa! Eu adorei e pretendo terminar de ver ela logo (se minhas lagrimas aguentarem né?!)! É muito importante a mensagem que eles pregam, começar a ver essa série foi uma das melhores coisas que eu fiz no ultimos tempos! ❤

  • Thainá Christine

    Queer Eye foi uma série que me pegou desprevenida. Procurava apenas algo para assistir enquanto fazia as unhas, algo leve ou até engraçado, então decidi conhecer a série. Quando vi já tinha assistido a primeiro temporada inteira e chorado em todos os episódios, porque é assim que acontece. Acredito que encontrei os cinco fabulosos quando mais precisava e isso fez com que eu criasse um carinho enorme por esses caras, desde então sempre que me perguntam sobre uma série eu indico Queer Eye – e fico com raiva se não assistirem.

    • Ana Gabriela

      EU MESMA! Também queria uma coisa de boa pra assistir, mas já tinham me dito que fazia chorar. Aí eu vi a primeira temporada inteirinha num dia só haha eu amo de paixão!

  • Clayci Oliveira

    Finalmente parei para ler uma crítica sobre essa série.
    Confesso que já passei por ela, mas ignorava justamente por pensar ser mais do mesmo. Não sabia dessa proposta e fiquei emocionada só de ler o que vc escreveu. Terei que dar uma chance ❤ já vi que vou me apaixonar

  • PS Amo Leitura

    COMO ASSIM EU NÃO CONHECIA ESSA SÉRIE? Pela sua crítica, ela realmente parece incrível! É aquela série para ensinar, preencher o coração e chorar, chorar muito! Nossa, que incrível. Vou aproveitar minhas férias de agosto para acompanha-la. Espero amar também 😀

    Beijos,

  • Dayhara Ribeiro Martins

    Ai meu Deus, já tô vendo que vou chorar que nem uma doida, de verdade ahahaha. Só vejo bons comentários sobre essa série e sinceramente não sei porque tô enrolando tanto pra assistir, sua resenha super me convenceu a ver!

  • Jaque Reis

    Meu Deus! Como nunca parei para saber mais sobre este hino de série? Só os trechos, frases e e resumos de episódios que você trouxe já me emocionaram, então com certeza vou me emocionar e preciso assistir também! Achei uma série impactante, com uma mensagem linda! Aaaa amei

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *