Da Janela

Da janela queria ver amor,
mas por enquanto só acho caos.
Da janela eu queria um quadro bonito pra paisagem lá fora.
Mas parece que não vai ser agora.

Olhar da janela era sentir brisa, chuva e sol.
A janela era um deslumbre da liberdade.
No entanto agora se transforma em sabor de saudade.

Da janela eu vi muitos, mas queria ver poucos.
Da janela queria o silêncio, mas tenho ouvido o barulho.
Na janela reconheço corações ansiosos que desejam que a turbulência acabe.

Da minha janela, vejo história acontecer.
Quando eu iria imaginar que preferia a história vinda dos livros e não da realidade?
Quanto trabalho, quanto desgaste.
Quanta ignorância e quanta decepção.

Da janela eu espero que o desespero acabe logo.
Espero que o normal volte a ser.
Com a expectativa da melhora.

Acho o normal superestimado.
Do que adianta voltar a algo se isso não era verdadeiramente bom?

Desejo da janela que sejamos melhores.
Mais conscientes.

Com nós mesmos, o outro e com o país.
Chega de entregarmos os três a quem não se importa quando você precisa ficar preso do lado de dentro da janela.

Da minha janela eu aguardo que:
A história não seja trágica.
O presente não adoeça.
E o futuro não morra.

Da minha janela eu quero ver esperança.
Onde ela está?


Ana Gabriela

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Voltar ao topo