contos,  escreve

Altos & Baixos


É muito curioso encontrar alguém que você amou muito depois depensar sobre como as coisas eram e quão limitada sua visão era por conta da ideia que você tinha na sua cabeça.

Eu o vi, sem querer, enquanto passava os canais da tv em um dia em que surpreendentemente estava sozinha em casa. Não gosto de dias solitários. Não sei lidar com eles. Mas, foi isso. Depois de muitos anos, eu o vejo ali, na minha sala, não de corpo presente, como aconteceram várias vezes enquanto ele declarava seu amor por mim ou cantava uma das músicas que tinha escrito sobre nós. Eram os dias bons. Longe da loucura que acontecia nas ruas. Só eu e ele. Parecia o romance perfeito.

Mas nada é perfeito. Eu só não tinha essa noção. Era difícil ter, apesar dos comentários de quem convivia comigo dizendo que eu mudava quando estava perto dele ou dizendo que não era assim que eu deveria ser tratada. Meu coração queria o que queria.

Mas hoje, vendo-o pela tv, eu percebo todas as noites chorosas que passei, todos as desculpas que eu engoli pelo “amor”, todos os altos e baixos que eu me deixei fazer parte por conta das mensagens de “sinto sua falta” e “eu preciso de você”. Quando eu era a outra opção nas horas em que ele não se sentia satisfeito com quem tinha.

As noites frustrantes, acompanhadas de tardes e manhãs inconstantes. Mas era o que eu acreditava ser amor. Um amor juvenil, de verão, que durou mais anos do que deveria por conta da intensidade que existia entre a gente. Meu primeiro amor, o que começou como um lindo conto da disney, mas acabou mal. Não uma, nem duas, mas várias vezes.

Shiny ‘til it wasn’t feels good ‘til it doesn’t.

O coração bate um pouco mais forte?

Quando eu o vi na televisão, meu coração não pulou uma batida, não respirei mais rápido, nem me senti triste, como acontecia antes. Era como ver alguém que eu não conhecia. E essa provavelmente é a verdade. Eu conheci a versão idealizada, cega de amor. Quando a realidade bateu na porta, eu já não sabia quem ele era, muito menos quem eu era sem ele. Com o fim definitivo, depois de muita dor, eu me descobri. Não fui perfeita, eu sei disso. Me arrependo de várias escolhas sobre ele, mas elas me fizeram ser quem eu sou hoje e eu tenho orgulho dessa pessoa. A aventura da minha vida começou quando um término me encontrou.

Of course she was sad but now she’s glad she dodged a bullet. Took a few years to soak up the tears but look at her now.

Desliguei a tv e comecei a escrever. Essa seria a minha canção de amor próprio.


She knows she’ll find love only if she wants it.


Isso é um exercício de escrita. Apesar de não serem citados nomes — mas dá pra saber quem supostamente é a narradora — e algumas situações serem conhecidas do público ainda é parte ficção.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *